sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

SDRA: Definição de Berlim

        Mediante uma reunião de consenso liderada por Marco V. Ranieri, Gordon Rubenfeld, Arthur Slutsky, entre outros estudiosos do assunto, recentemente foi anunciada e publicada uma nova proposta de definição para síndrome do desconforto respiratório agudo (SDRA). A nova classificação de gravidade da  SDRA visa simplificar o diagnóstico e melhorar as estimativas prognósticas.
       A proposta da "definição de Berlim", previu mortalidade pouco melhor do que a definição existente (criada na Conferência de Consenso de 1994 americanos Europeia / AECC), quando aplicado a uma coorte de 4.400 pacientes dos últimos ensaios randomizados.  
          A definição de Berlim considera as seguintes modificações:(Figura 1)
       A "lesão pulmonar aguda" não existe mais. Os pacientes com PaO2/FiO2 200-300 agora são classificados como "SDRA leve."
        
O início da SDRA deve ser agudo, compreendido dentro de 7 dias de um evento definido, que pode ser pulmonar, extrapulmonar, ou simplesmente o reconhecimento de um agravamento dos sintomas respiratórios (A maioria dos casos de SDRA ocorre dentro de 72 horas após o reconhecimento do gatilho presumido).
       
Opacidades bilaterais compatíveis com edema pulmonar devem estar presente, mas podem ser detectadas na tomografia computadorizada ou radiografia de tórax.
       
Não há necessidade de se excluir a insuficiência cardíaca, pois pacientes com altas pressões pulmonares ocluída, ou insuficiência cardíaca congestiva com conhecida hipertensão atrial esquerda ainda assim podem ter SDRA. O novo critério prevê que a insuficiência respiratória não pode ser simplesmente explicado por insuficiência cardíaca ou sobrecarga de líquidos, na melhor estimativa do médico com as informações disponíveis. Uma "avaliação objetiva" - um ecocardiograma ou outra ferramenta de avaliação - deve ser realizada se não houver claro fator de risco presente, como trauma ou sepse.
Firuga 1

         Não houve nenhuma alteração na compreensão conceitual da SDRA, como "lesão pulmonar inflamatória aguda e difusa, conduzindo ao aumento da permeabilidade vascular pulmonar, aumento do peso pulmonar, e perda de tecido de pulmão aerado ... [com] hipoxemia e opacidades radiográficas bilaterais, associadas ao aumento da mistura venosa, aumento do espaço morto fisiológico, e diminuição da complacência pulmonar. "
        Embora os autores enfatizem o aumento do poder da definição de Berlim para prever a mortalidade em comparação com a definição AECC, na verdade ainda é pobre, com uma área sob a curva de apenas 0,577, comparado a 0,526 da definição anterior.         
    Variáveis ​​clínicas que acredita-se ser importante e útil na gestão da SDRA - complacência estática do sistema respiratório, gravidade radiográfica, PEEP > 10cmH2O - não foram preditores de mortalidade ou de outros desfechos clínicos. Após incluir estas variáveis ​​no projeto inicial da nova definição e testar empiricamente na coorte, todas elas foram excluídas. (Figura 2) 
Figura 2

          As conclusões do painel, aprovado pela Sociedade Europeia de Medicina Intensiva, a American Thoracic Society (ATS) e da Sociedade Americana de Medicina Intensiva (SCCM), surgiram a partir de reuniões em Berlim (2011) para tentar resolver as limitações da definição anterior AECC. Os autores publicaram seus resultados no 21 de maio de 2012, edição online do JAMA.

Referências:

1. The ARDS Definition Task Force. Acute Respiratory Distress Syndrome. The Berlin Definition. JAMA online May 21, 2012.
2. The American-European Consensus Conference on ARDS: definitions, mechanisms, relevant outcomes, and clinical trial coordination. AmJ Respir Crit Care Med. 1994; 149(3 pt 1):818-824.
3. Beyond mortality: future clinical research in acute lung injury. Am J Respir Crit Care Med. 2010;181(10): 1121-1127.

Um comentário:

  1. Tenho uma dúvida: qual seria o papel da ultrassonografia pulmonar à beira do leito nesses casos?

    ResponderExcluir