segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Escores prognósticos em UTI: ferramentas funcionais


              Os índices prognósticos aplicados aos pacientes críticos desempenham um papel fundamental, uma vez que através deles é possível estabelecer uma estimativa da evolução de uma determinada população de pacientes internados. Além desse valor prognóstico, eles têm uma aplicação bastante diversificada, visto que permitem analisar fatores como: qualidade no cuidado de uma UTI, comparação entre UTIs de hospitais diferentes e administrar determinados recursos hospitalares de maneira otimizada...
            Um dos primeiros índices padronizados foi o APACHE (Acute Physiology and Chronic Health Evaluation), publicado em 1981, desenvolvido para estratificar o risco de morte hospitalar na população crítica. Utilizou 34 variáveis, às quais foram atribuídos pontos de 0 a 4. Posteriormente, em 1985, as 34 variáveis foram reduzidas a 12, criando assim o APACHE II, o índice mais utilizado, atualmente, na prática clínica.
                Outro índice muito utilizado nas Unidades de Terapia Intensiva é o SAPS (Simplified Acute Physiology Score), cuja principal proposta quando criado em 1984, foi de simplificar o APACHE mantendo seu valor preditivo eficaz.  O mais recente validado é o SAPS 3, o qual tem algumas características peculiares como, por exemplo, os dados avaliados são os da primeira  hora da admissão na UTI, o que permite inferir o status dos pacientes sem interferências das medidas instituídas.
              Vale ressaltar que eles não foram desenvolvidos para avaliar o prognóstico de um único indivíduo, e sim para um grupo de pacientes. O desempenho de um índice prognóstico genérico pode divergir quando aplicado em diferentes populações. Outro conceito importante, é que a acurácia de um índice de gravidade é dinâmica e deve ser testada periodicamente, especialmente em UTIs com populações específicas. Deve-se ter em mente, que para cada tipo de paciente, há um índice que reflete melhor o prognóstico do que o outro. A aplicação dos escores de maneira conjunta e comparativa, reconhecendo qual compreende a melhor calibração para população é prática interessante no melhor desempenho das análises.
               Os sites a seguir fornecem informações adicionais e ferramentas que permitem calcular os escores citados: 

http://saps3.org/

http://www.sfar.org/scores2/apache22.html

http://www.mdcalc.com/apache-ii-score-for-icu-mortality


Referências:
1. www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/3928249
2. www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1315314
3. www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1315315 
4. www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20392287 
 

7 comentários:

  1. Colega, quando vou baixar o SAPS 3 ele me pede uma senha, como faço para te-la gratuitamente

    ResponderExcluir
  2. Gostaria de saber se existe o programa SAPS 3 para uti neo natal

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O SAPS 3 é um escore validado apenas para adultos.
      Existem outros escores prognósticos no contexto de UTI neonatal, como o clinical risk index for babies (CRIB) score (CRIB e CRIB II), score for neonatal acute physiology
      (SNAP e SNAP-II), score for neonatal acute physiology—perinatal extension (SNAP-PE
      e SNAPPE-II), national therapeutic intervention scoring system (NTISS), Berlim score, national institute oh child health and human development (NICHHD), neonatal mortality prognosis (NMPI) e o nursery neurobiologic risk score (NBRS).

      Excluir
  3. como faço para transformar em portugues

    ResponderExcluir
  4. No site oficial SAPS3.org, apenas a versão em inglês é oferecida.

    ResponderExcluir